segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Análise dos Fatos

Análise dos Fatos

Chegou a pós-modernidade e se instalou,
Ainda não é tarde, para juntar o que sobrou,
Os pedaços espalhados, tudo se fragmentou.

A análise dos fatos me fez compreender,
Que tudo o que eu sabia não era pra saber.

Não sei quem sou,
Não sou quem sei,
Se sei não sou,
Se sou não sei.

A vida é um jogo de azar e de sorte,
Ou você é o Rei ou é o Bobo da corte,
Um tabuleiro de xadrez, onde você dá xeque-mate,
Chegou a hora é sua vez, só não vale dá empate.

As badaladas cessaram impulsionando à deriva,
Enquanto esse mundo mudo e imundo não muda,
Vou tocando minha vida passiva.

A análise dos fatos me fez compreender,
Que tudo o que eu sabia não era pra saber.

Não sei quem sou,
Não sou quem sei,
Se sei não sou,
Se sou não sei.

Somos contemporâneos,
Conterrâneos em nossos crânios perturbados.

(Composição: Michel F.M.) © 2006

7 comentários:

  1. Somos, humanamente, contemporâneos. Analisei os fatos. Bela poesia, belo texto Michel. Parabéns!! Boa noite, grande abraço :)

    ResponderExcluir
  2. Me identifiquei muito com esse texto!!

    ResponderExcluir
  3. Não sei quem sou,
    Não sou quem sei,
    Se sei não sou,
    Se sou não sei.


    adorei isso.

    ResponderExcluir
  4. Estou fazendo um curso de narrativas da contemporaneidade... e estamos justamente analisando o narrador pós-moderno... achei interessantíssimo isso aqui. Indiquei à minha professora.

    ResponderExcluir
  5. Adorei esse texto amigo, na verdade todos eles são maravilhosos, vc escreve muitooo bem,tem muito potencial,saiba que vc é merecer de todo sucesso...fico muito honrada com a sua visita ao meu humilde blog,estou te seguindo, claro não poderia deixar de seguir um blog tão popular, e tão bem feito e criativo.
    Fica com Deus, que ele te guarde e te proteja cada dia mais...

    Beiju!

    Felicidades!!

    ResponderExcluir